700.000 anos de Umbanda
8a. aula
- parte 2
8 - Ritualística
Mostraremos aqui a ritualística básica desejada para uma casa de umbanda
mínimamente interessada em desligar-se de rituais sem sentido, trazidos apenas pela
herança oral da umbanda chamada por alguns de popular.
Muitos desses rituais não seriam necessários se pudessemos todos apenas mentalizar os procedimentos magísticos, lembrando sempre que toda magia é mental.
O ritual é um meio pelo qual podemos mudar nossa vibração através
 de procedimentos pré-estabelecidos; eles nos levam
 a ampliar nossa consciência para podermos acessar as consciências dos protetores e guias que trabalham na Umbanda.
5 - Uniforme - item tão importante quanto os outros; para um ritual harmônico deve ser todo branco, composto de uma calça, uma camiseta, um jaleco e sapatos ou tênis brancos, devendo ser utilizado exclusivamente no centro. O trabalhador não deve vir de sua casa usando-o.
6 - Defumação - este item de ser preparado com antecedência para que se possa ser feito sem atribulações. Serão necessários um defumador ou turíbulo com brasas de carvão, onde serão colocadas flores ou ervas secas. Lembramos que a defumação deve realizada com movimentos discretos e com uma fumaça suave.
7 - Abertura dos trabalhos - mostramos abaixo uma sequência para abertura dos trabalhos.

1º - Abrir as cortinas do otá e descobrir o assentamento dos agentes mágicos.
2º - Acender as velas do altar, otá e assentamento.
3º - Formação dos médiuns em dois triângulos imaginários sobrepostos que formarão uma
estrela de seis pontas, também imaginária e que representa os orixás, sendo que Oxalá está no centro.
4° - Pode se fazer um pequeno momento de evangelização (escolher um tema e falar por 5 minutos). Os médiuns podem fazer rodízio para esta tarefa.
5º - Prece de abertura, que é o Pai Nosso da Umbanda.
6º - Realizar o mantra da Umbanda que é o AUM para harmonização do ambiente.
7º - Ponto de evocação do Agente Mágico, relacionado com a vibração original do chefe da casa.
8º - Defumação que deve ser feita a partir do gongá e do otá, passando depois por todo abassá, pelos médiuns e, por ultimo, pela assistência (passando apenas pelos corredores formados pelas cadeiras). Após o término da defumação o turíbulo deve ser deixado do lado de fora da entrada da casa.
9º - Pontos de saudação das 7 Linhas de Umbanda na seguinte ordem: Oxalá, Ogum, Oxossi, Xangô, Yemanjá, Yori e Yorimá.
10° - Ponto de homenagem ao fundador da Umbanda, o Caboclo da 7 Encruzilhadas.
11º - Ponto de decida do guia chefe; logo após o da entidade que trabalha com a mãe ou pai pequeno e, em sequência, os pontos das demais entidades que trabalham na casa.
12º - Atendimento dos consulentes que receberam, ao chegarem, uma ficha numerada com o nome do médium que dará o atendimento.
13º - Para o encerramento, com a autorização da entidade chefe, é cantado o ponto para a subida das entidades e, por último, o ponto de subida da entidade chefe. Finaliza-se os trabalhos com a prece Pai Nosso de Ay-Mhoré.

 - As preces Pai Nosso da Umbanda e Pai Nosso de Ay-Mhoré se encontram na seguinte página: http://www.aumpram.org.br/oracao.html

- O mantra está na página Radio Aumpram - Estação Lua
- Ver explicações mais detalhadas no curso intermediário